segunda-feira, 23 de setembro de 2019

O que acontece com profissionais de T.I. que ficam obsoletos?

O que acontece com profissionais de T.I. que ficam obsoletos?
O que acontece com profissionais de T.I. que ficam obsoletos?
Em 2010, Steve Jobs anunciou em um post no seu blog que a Apple não daria mais suporte para o Adobe Flash. Naquela época, o Flash era uma ferramenta de desenvolvimento popular para criar animações, jogos na Web e outros aplicativos da internet.

Logo após o anúncio, o uso do Flash diminuiria abruptamente - em 2011, 28,5% dos sites usavam o Flash, enquanto no ano passado, pouco menos de 3% dos sites estavam usando a tecnologia, de acordo com o site de pesquisa de uso de tecnologia W3Techs.

Embora esteja claro que a decisão da Apple teve um grande impacto no Flash, o que dizer de todos os profissionais de tecnologia que investiram tempo e dinheiro para se especializarem em Flash?

Até agora, havia poucas informações sobre como trabalhadores individuais se ajustam quando uma habilidade específica decai. Mas um novo estudo dos economistas John J. Horton, professor assistente da MIT Sloan School of Management, e Prasanna Tambe, professora associada da Wharton School da Universidade da Pensilvânia, sugere que o mercado de trabalho tem capacidade de grande resiliência.

A pesquisa mostra que, embora a demanda por habilidades em Flash tenha diminuído após o anúncio de Jobs, houve muito pouco impacto nos especialistas em Flash, em termos de salários ou competição por vagas de emprego, mesmo quando as horas foram reduzidas.

Os salários mudaram muito pouco devido, em parte, à rapidez com que os trabalhadores se adaptaram à mudança e buscaram outras habilidades, de acordo com os pesquisadores. As descobertas sugerem que, quando suas habilidades se tornaram obsoletas, os funcionários de TI que se ajustaram estavam pensando a longo prazo e eram capazes de aprender com a prática.

Se adapte rápido, pense a longo prazo

Quando a demanda por habilidades em Flash começou a cair, os trabalhadores com "visão de futuro" começaram a se candidatar a empregos que eram diferentes dos empregos nos quais haviam trabalhado no passado. Embora o desenvolvimento de suas habilidades em Flash exigisse investimentos - principalmente com o tempo dedicado ao treinamento no trabalho -, os trabalhadores foram rápidos em abandonar as habilidades sem muito futuro, descobriram os pesquisadores.

Em uma pesquisa com trabalhadores que usavam Flash, os entrevistados relataram que, após o anúncio de Jobs, sua principal estratégia de carreira foi aprender novas habilidades assumindo projetos que desejavam aprender. Eles consideravam a estratégia "aprender-enquanto-você-faz" como mais importante do que as abordagens tradicionais, como ler livros ou ter aulas. (Essa visão foi confirmada pelas descobertas dos pesquisadores quando examinaram sites como o Stack Overflow, o popular fórum de engenharia de software, para ver como os trabalhadores adquiriam novas habilidades.)

Mas os entrevistados também relataram receio em escolher a habilidade errada na qual se especializar a seguir. Para reduzir esses riscos, os trabalhadores relataram que dependiam de informações de outros programadores, fóruns de discussão na web e indicações de líderes do setor em grandes empresas de tecnologia, para ter uma noção de qual tecnologia seria o novo padrão em seu campo - mostrando a grande influência que as empresas de tecnologia podem ter sobre as escolhas de carreira dos trabalhadores.

Embora ilustre o que aconteceu com os trabalhadores do Flash, a pesquisa não representa necessariamente experiências comuns dos trabalhadores de TI. E embora a abordagem de "aprender fazendo" possa ajudar os programadores a fazer a transição facilmente para outra habilidade, essa estratégia não se aplica necessariamente a outros setores. Aqueles que aprendem Flash ou habilidades de programação semelhantes podem ter outros atributos que os tornam particularmente adaptáveis ​​ou adequados à abordagem de "aprender fazendo".

Onde a educação formal desempenha um papel?

À medida que a força de trabalho de tecnologia continua a se expandir - alcançando 4,6 milhões de trabalhadores em 2016 contra 450 mil em 1970 - a pesquisa sugere que o "aprender fazendo" desempenhará um papel maior em uma economia que muda rapidamente.

Mas isso também levanta a questão de onde a educação desempenha um papel - e se a educação formal pode acompanhar o rápido crescimento das novas tecnologias.

A abordagem "aprender fazendo" no cenário de quem trabalha com Flash destaca o valor das escolas de programação e campos de treinamento projetados para ensinar aos alunos habilidades sob demanda em menos de oito semanas.

E enquanto os ambientes educacionais tradicionais tendem a ver seu currículo com uma data de término (geralmente alinhada com a formatura de seus alunos), o fundador adjunto da Lambda School, Austen Allred, prevê que os alunos voltarão à escola de programação a cada oito anos para aprender novas habilidades.

"Fomos projetados para ser uma escola para a aprendizagem ao longo da vida, não apenas uma escola para o ensino de uma experiência apenas", diz ele. "A mudança está acontecendo tão rapidamente que você não pode estudar uma coisa e ficar estagnado naquilo para sempre".

Michelle Cheng

Quartz




> Comunidade Brasileira de Sistemas de Informação
> Fundada em 13 de Outubro de 2011
> E-mail: comunidadebsi@gmail.com
> Cel: +55 92 99329-7545
> Local: Manaus, Amazonas, Brasil.

> Cláudio Florenzano, Diretor Executivo.
> E-mail: c.luciano20@gmail.com
> Facebook:

‍



Geeks Online: