quinta-feira, 22 de fevereiro de 2018

Relatório revela que crime cibernético gera prejuízo global de US$ 600 bilhões

Relatório revela que crime cibernético gera prejuízo global de US$ 600 bilhões
Relatório revela que crime cibernético gera prejuízo global de US$ 600 bilhões
A pesquisa, realizada pela McAfee em parceria com a Center for Strategic and International Studies (CSIS), analisou o aumento da forma em que os cibercriminosos adotam novas tecnologias para os ataques nos últimos três anos, além de estudar a facilidade da entrada ao crime cibernético.

Para Steve Grobman, CTO da McAfee, "o mundo digital transformou praticamente todos os aspectos de nossas vidas, influenciando até mesmo o crime e os riscos". O executivo comenta ainda que o crime está "mais eficiente, menos arriscado, mais lucrativo e mais fácil de praticar do que nunca".

Grobman cita o ransomware, afirmando que os criminosos podem terceirizar grande parte do trabalho a prestadores de serviço especializados. "Os provedores de nuvens de 'ransomware-como-serviço' adaptam os ataques para atingir milhões de sistemas. Esses ataques são automatizados e requerem o mínimo de intervenção humana. Para agravar o problema, as criptomoedas facilitam e aceleram a obtenção de lucros, além de minimizar o risco de prisão. Infelizmente, a cifra de US$ 600 bilhões associada ao crime cibernético reflete como os avanços tecnológicos transformaram a economia do crime de forma tão profunda como todas as outras partes da nossa economia", conta Grobman.

Ainda de acordo com o estudo, os bancos seguem como o principal alvo dos cibercrimes, e os estados-nação em conflitos internacionais são as fontes mais perigosas. O relatório cita a Rússia, Coreia do Norte e Irã como os países que mais efetuam ciberataques em instituições financeiras, e a China como o país com mais espionagem cibernética.

James Lewis, vice-presidente sênior da CSIS, conta que a Rússia é o país líder em crimes cibernéticos, e que a Coreia do Norte, Brasil, Índia e Vietnã estão com a tendência em crescimento.

Foram analisados crimes cibernéticos na América do Norte, Europa, Ásia Central e Oriental, Pacífico, América Latina, Caribe, África Subsaariana, Oriente Médio e Norte da África. Os resultados mostram mais prejuízos em países ricos, porém os valores mais altos foram encontrados em nações de nível econômico intermediário.




> Comunidade Brasileira de Sistemas de Informação
> Fundada em 13 de Outubro de 2011
> E-mail: comunidadebsi@gmail.com
> Cel: +55 92 99329-7545
> Local: Manaus, Amazonas, Brasil.

> Cláudio Florenzano, Diretor Executivo.
> E-mail: c.luciano20@gmail.com
> Facebook:

‍



Geeks Online: