terça-feira, 12 de maio de 2020

Como a Covid-19 está mudando o processo de contratação de TI

Como a Covid-19 está mudando o processo de contratação de TI
Como a Covid-19 está mudando o processo de contratação de TI
A pandemia da Covid-19 mudou drasticamente a maneira como as empresas fazem negócios quase que da noite para o dia, forçando uma mudança na maioria das organizações para o trabalho remoto e virtual em todas as categorias. Mas o que não mudou substancialmente é a necessidade de atrair, recrutar e contratar os principais talentos de TI.

O impacto total da pandemia na contratação de TI ainda está por vir, mas o desemprego nas ocupações de TI permanece baixo, 2,4% em março, e muitas empresas continuam contratando, apesar dos escritórios fechados, conforme os líderes de TI ajustam seus processos de contratação para superar os problemas trazidos por essa situação sem precedentes.

Sheryl Haislet, CIO da Vertiv, é um desses líderes de TI que está repensando as contratações na era Covid-19. Ela ainda está contratando funções de suporte de TI para clientes críticos, além de funções de vendas.

"Todo o processo muda, obviamente", diz ela. "Você não encontra as pessoas em um almoço ou jantar. Passamos a usar a videoconferência, como o Zoom, para entrevistas". Haislet também diz que está usando ferramentas de triagem on-line para testar a perspicácia técnica e a triagem de habilidades de liderança, insights de personalidade e outras habilidades pessoais.

A ascensão da entrevista em vídeo

Nesta mudança para os métodos de recrutamento e contratação remotos e virtuais, a pandemia pode estar apenas acelerando uma tendência que vem aumentando nos últimos anos, diz Andrew Hewitt, Analista de Profissionais de Infraestrutura e Operações da Forrester Research.

“As empresas já estão aproveitando tecnologias como IA e ML, entrevistas em vídeo, exames de habilidades on-line. Essa crise as forçou a mudar de um 'é bom ter' para um ‘tem que ter', isso significa que as organizações que já estiveram à frente da curva da tecnologia terão uma vantagem, enquanto outras precisarão se atualizar”, ele diz.

Os dados do cliente JobVite confirmam isso, diz Jared Adams, Vice-Presidente Sênior de Engenharia de Produtos da empresa de software de rastreamento de recrutamento e candidatos.

"Vemos clientes conversando sobre como isso acelerou e removeu as barreiras à adoção de IA, chatbots e outras ferramentas de tecnologia para contratação", diz Adams. "Agora as pessoas têm a 'permissão' para experimentar essas novas ferramentas e aproveitar o vídeo, alavancar a IA, alavancar o texto e de maneiras que não estavam fazendo antes".

Matt Martin, CEO da empresa de software de calendário inteligente Clockwise, também mudou inteiramente para videochamadas e conferências para entrevistar candidatos, e ele está surpreso com a qualidade das mudanças, apesar de algumas idiossincrasias.

"A alternância entre uma videoconferência é mais difícil", diz ele. Por polidez, as pessoas podem relutar em interromper, o que pode ser constrangedor, mas Martin e sua equipe de contratação definem o tom imediatamente e isso ajuda a facilitar o caminho para os candidatos.

“Reduzimos o número de pessoas entrevistando candidatos para duas, o que diminui um pouco a pressão. E garantimos dizer, olha, pedimos desculpas por interromper e sabemos que haverá alguns casos em que conversaremos um com o outro, e tudo bem, isso não contará contra você ", diz ele.

Vídeos pré-gravados permitem que os candidatos “conheçam” seus entrevistadores com antecedência, e permitir que os candidatos tenham a opção de fazer entrevistas por mais de dois dias reduz a fadiga e o estresse de uma entrevista em vídeo. Para entregar ofertas aos candidatos, Martin diz que a Clockwise usa serviços de entrega ainda ativos na Bay Area e inclui uma “sacola de brindes” personalizada para personalizar a experiência.

Avaliação de habilidades sociais - enquanto distanciamento social

A pandemia também está mudando a mistura de habilidades que os líderes de TI estão procurando e os meios pelos quais eles os examinam.

"Isso não teve um grande impacto em nossas necessidades de habilidades físicas/técnicas, mas aumentou a necessidade de candidatos terem habilidades pessoais excepcionais, como trabalhar de forma independente, comunicação, colaboração", diz Haislet, de Vertiv. "E familiaridade e estar realmente confortável com a tecnologia de trabalho remoto, obviamente, bem como a capacidade de priorizar, conciliar a programação, trabalhar com distrações e, é claro, flexibilidade".

Brian Lancaster, CIO da Nebraska Health, diz que também está se adaptando às entrevistas virtuais, especialmente para algumas funções de liderança em sua organização de TI. Embora ainda seja mais fácil qualificar e quantificar as habilidades técnicas, observando exemplos de códigos, portfólios, produtos de trabalho anteriores e designando desafios, essas funções de liderança exigem ênfase nas habilidades mais brandas, o que significa uma mudança de estratégia ao avaliar essas qualidades remotamente.

"Você ainda pode dizer se o candidato vai se encaixar, apenas é preciso um grande senso de atenção e compreensão de como você deve mudar sua abordagem", diz Lancaster. "Você pode fazer mais perguntas abertas e avaliar como eles as colocam em uma resposta lógica e estruturada para avaliar seus processos de pensamento e como eles chegam ao resultado final".

Para isso, Lancaster sugere perguntar aos candidatos sobre uma má decisão que eles tomaram e como eles lidaram com as consequências.

Adotar uma abordagem mais situacional pode ajudar a avaliar se os candidatos são responsáveis por erros, possuem a humildade e a curiosidade necessárias para ter sucesso e a capacidade de criar estratégias e colaborar, diz Lancaster. "O que estou tentando contratar são diretores e diretores executivos, por isso é sobre estratégia e processo e como aproveitar a tecnologia para impulsionar os negócios", diz ele.

As desvantagens de contratar à distância

O fator mais difícil para contratar remotamente é o ajuste da cultura, diz Jayne Mattson, Treinador de Carreira e Fundador da CareerEngage Boston. Como é muito mais difícil julgar a personalidade e como isso se encaixa na cultura da sua empresa, é possível que possamos ver um aumento de "contratações ruins" durante a resposta à pandemia, diz ela.

"Você precisa equilibrar o risco de alguém não acabar como uma boa combinação para preencher essas funções tão críticas", diz Mattson. “Muitas empresas podem depender cada vez mais de contratações de referências, que por si só têm prós e contras. Sim, você pode garantir melhor o ajuste da cultura, mas está sacrificando a diversidade e a diferença de perspectiva, até certo ponto”.

As pessoas tendem a se aproximar daqueles que são como eles mesmos, portanto isso pode resultar em uma diminuição de diversos candidatos e contratações, diz Fran Berrick, Treinador de Carreira e Fundador da Spearmint Coaching. A tecnologia e a TI já são dominadas por trabalhadores heterossexuais, brancos e cisgêneros, que depois se referem a outros homens heterossexuais, brancos e cisgêneros, exacerbando a falta de diversidade.

"Você precisa ter atenção extra sendo uma empresa, para ter certeza de que está olhando fora da caixa, mesmo com contratações de referência", diz Berrick.




> Comunidade Brasileira de Sistemas de Informação
> Fundada em 13 de Outubro de 2011
> E-mail: comunidadebsi@gmail.com
> Cel: +55 92 99329-7545
> Local: Manaus, Amazonas, Brasil.

> Cláudio Florenzano, Diretor Executivo.
> E-mail: c.luciano20@gmail.com

‍



Geeks Online: