terça-feira, 20 de fevereiro de 2018

Computação é o que mais sofre evasão em universidades públicas e privadas.

Curso de computação é um dos que mais sofreram evasão em IES privada e pública.
Curso de computação é um dos que mais sofreram evasão em IES privada e pública.
A evasão escolar, que é um dos principais problemas do sistema educacional brasileiro, não se concentra apenas no ensino médio, cujo currículo está desconectado das necessidades do mercado de trabalho, nem no ensino fundamental. Ela também afeta de modo preocupante o ensino superior, como mostra o Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep), vinculado ao Ministério da Educação, com base no último Censo Escolar.

Entre 2014 e 2015, 12,7% dos alunos matriculados na primeira série do ensino médio abandonaram as salas de aula, o mesmo acontecendo com 12,1% dos matriculados na segunda série e 6,7% dos matriculados na terceira série. No ensino fundamental, a taxa de evasão na nona série – a última nesse ciclo educacional – foi de 7,7%, no mesmo período. Já no ensino superior, a taxa de abandono acumulada em cinco anos para os que entraram numa faculdade em 2010 foi de 49%. Nas universidades privadas, onde o ensino é pago, a desistência foi de 53%. E nas universidades públicas, gratuitas, mas com um processo de entrada bastante seletivo, a taxa de desistência foi de 47% nas municipais, 38% nas estaduais e 43% nas federais. Os números também mostram que, nas instituições privadas, 30% dos alunos desistem do curso já no segundo ano, enquanto nas instituições públicas a taxa é de 19%. Nos anos seguintes as taxas de desistência vão diminuindo.

No caso específico das universidades federais, aliás, apenas 22% dos alunos que se matricularam no primeiro ano, em 2010, conseguiram formar-se em 2014 – uma taxa considerada muito baixa pelos especialistas. Os demais alunos nem abandonaram os estudos nem concluíram o curso cinco anos após terem sido aprovados no vestibular. Na prática isso significa que, por motivos que vão do despreparo para acompanhar as aulas à falta de identificação com o curso e desinformação na opção por uma carreira profissional, os alunos das universidades públicas estão levando mais tempo para se formar do que as autoridades educacionais esperavam.

Os números inéditos apresentados pelo Inep, com base em metodologia de acompanhamento dos estudantes que vem sendo adotada pelo Censo Escolar desde 2007, ajudam a compreender os gargalos do ensino superior brasileiro. Também permitem a especialistas em educação definir melhor o foco de seus estudos. É esse o caso, por exemplo, do ex-reitor da USP Roberto Lobo, cujas pesquisas revelam que os cursos com maior evasão foram os de matemática, computação e jornalismo, nas universidades privadas, e de matemática e computação, nas universidades públicas.

Esse também é o caso de Naércio Menezes Filho, economista especializado em formação de capital humano e professor da USP e do Insper, cujos estudos enfatizam um ponto importante: o impacto financeiro causado pelos altos índices de evasão nas instituições de ensino superior. Nas universidades públicas, como os custos são fixos, o aumento das desistências faz com que o custo por aluno efetivamente formado seja maior do que por aluno inicialmente matriculado. Ou seja, a evasão significa desperdício de recursos públicos já escassos. No caso das universidades privadas, o aumento da evasão as obriga a aumentar o valor das mensalidades, diz ele.

Autoridades educacionais e especialistas do setor têm discutido medidas para controlar e reverter as taxas de evasão. Uma delas é permitir que os universitários possam escolher sua área de especialização depois que tenham contato com todas as disciplinas do curso. Outra medida é aprimorar o processo seletivo nas universidades públicas, levando em conta o perfil socioemocional dos ingressantes. Há ainda quem proponha a criação de novas fontes de financiamento estudantil, sem mediação de órgãos públicos. Contudo, todos concordam num ponto: a melhoria do ensino básico é condição fundamental para reduzir a evasão no ensino superior.




> Comunidade Brasileira de Sistemas de Informação
> Fundada em 13 de Outubro de 2011
> E-mail: comunidadebsi@gmail.com
> Cel: +55 92 99329-7545
> Local: Manaus, Amazonas, Brasil.

> Cláudio Florenzano, Diretor Executivo.
> E-mail: c.luciano20@gmail.com
> Facebook:

‍



Geeks Online: