terça-feira, 16 de maio de 2017

O alto custo de não ter uma segurança da informação adequada.

O alto custo de não ter uma segurança da informação adequada.
O alto custo de não ter uma segurança da informação adequada.
O ciberataque do último dia 12 atingiu quase uma centena de países em todo mundo e foi destaque em todas as mídias, é o maior da história do mundo digital até hoje... e já previsto.

Quando o orçamento de TI de uma empresa diminui, o de segurança normalmente não reduz na mesma proporção e está aí o desafio: como aplicar de forma mais eficiente os recursos e manter o nível de segurança?

Sim, estamos falando de investimento. Quando diminuem os recursos empregados em segurança o risco aumenta e a probabilidade de se gastar mais que do que foi economizado em ações de remediação aumenta junto. Mas não estamos falando aqui apenas no investimento financeiro em equipamentos, softwares e serviços especializados..., mas, também, investimento em conscientização dos usuários da empresa em boas práticas

O ataque de ontem, que afetou o funcionamento de muitas empresas e organizações, é a prova que não existem empresas – independentemente do segmento de mercado, tamanho ou região – a salvo. Hospitais, companhias ferroviárias, meios de comunicação, indústrias e prestadores de serviço. Todos são alvo e a ingenuidade de quem acredita que “esse tipo de coisa nunca vai acontecer”, dá vez ao descaso. 

Nos EUA, o custo médio anual do cibercrime em 2015 foi de US$ 15 milhões, segundo pesquisa do Instituto Ponemon, um aumento de 19% em relação a 2014; já no Brasil esse número é mais alarmante, subindo para US$ 20 milhões, uma média de US$ 154 por cada dado roubado. O mesmo instituto levantou o impressionante crescimento do roubo de dados: 2100%.

A Intel Security, em sua pesquisa mundial, reportou já em 2014 um total de US$ 445 bilhões em perdas financeiras e, como consequência direta, mais de 150.000 pessoas ficaram desempregadas somente na Europa. Já o FBI estimava que o ransomware seria um negócio de US$ 1 bilhão apenas em 2016. Com um potencial de ganho como esse, por que os crackers deixariam essa ameaça de lado? 

As duras consequências

Elas podem variar de acordo com o porte e o mercado no qual a empresa está inserida, mas os principais são: 

· Perda temporária ou permanente de informações - sejam elas referentes à propriedade intelectual da empresa ou dados de clientes. 

· Interrupção de serviços regulares (lucro cessante) - uma simples interrupção de um sistema de e-commerce, por exemplo, pode acarretar em prejuízos impensáveis.

Perdas financeiras associadas à restauração do sistema, custos legais e de TI - multas regulatórias e serviços especializados para correção são alguns exemplos. A lista pode ser bem extensa, assim como a conta para pagar.

· Danos à reputação da empresa - intangível num primeiro momento, a perda de confiança dos clientes é uma das consequências que mais demandam tempo e esforço para serem dirimidas. 

Consequências como essas não acontecem apenas em gigantes como Target e Sony e devem ser consideradas dentro dos pontos críticos de um planejamento corporativo. Embora exista, de fato, uma visão macro sobre o cibercrime, ainda fica muito aquém do necessário. Na maioria dos casos, a percepção é que segurança, sendo um problema que envolve tecnologia, será resolvido pela equipe de TI e que nada de grave acontecerá se houver a aquisição da mesma.

O barulho de ontem foi grande. Mas o que será feito na sua empresa amanhã para não aumentar essas estatísticas? 

Rogério Reis - Diretor de Operação da Arcon, empresa especializada em cibersegurança do Grupo NEC.




> Comunidade Brasileira de Sistemas de Informação
> Fundada em 13 de Outubro de 2011
> E-mail: comunidadebsi@gmail.com
> Cel: +55 92 99329-7545
> Local: Manaus, Amazonas, Brasil.

> Cláudio Florenzano, Diretor Executivo.
> E-mail: c.luciano20@gmail.com
> Facebook:

‍



Geeks Online: