Concursos de TI

[Concursos%20de%20TI][bleft]

APOSTILAS

[Download][bsummary]

DICAS

[Dicas%20TI][twocolumns]

CIÊNCIA E TECNOLOGIA

[Ciência%20e%20Tecnologia][twocolumns]

SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO

[Segurança%20da%20Informação][bleft]

Pesquisadores criam software que calcula quando o coração de pacientes vai falhar.

Pesquisadores criam software que calcula quando o coração de pacientes vai falhar.
Pesquisadores criam software que calcula quando o coração de pacientes vai falhar.
Pesquisadores da Imperial College de Londres criaram, a partir de um novo programa, modelos em 3D dos corações de 250 pacientes, que mostram em detalhes como o órgão se contrai a cada batimento. A partir daí, a inteligência artificial do software consegue detectar quais características do músculo cardíaco determinam quando ele vai falhar em até cinco anos.

De primeira, o desenvolvimento de um dispositivo assim parece meio macabro: não é todo mundo que gostaria de saber quando vai morrer, certo? Mas a proposta aqui é bem diferente — os cientistas querem usar as informações para adotar medidas que, no fim das contas, podem prevenir o piripaque cardíaco.

Por enquanto, a máquina só foi testada em indivíduos com hipertensão pulmonar, um quadro em que a pressão arterial dos pulmões vai às alturas, sobrecarregando o coração. Se a doença não for descoberta cedo, os pacientes podem morrer em poucos anos.

“Nós gostaríamos de desenvolver a tecnologia para que ela seja utilizada em várias condições cardíacas. A meta é ver se as previsões mais acuradas podem orientar o tratamento para que as pessoas vivam mais”, disse Tim Dawes, um dos autores da pesquisa, em um comunicado.

Se você está se perguntando quão exato o software consegue ser, a resposta é: bastante. Pelo menos para a comunidade médica, a taxa de sucesso de 80% é extremamente elevada — e bem maior que os 60% do antigo método utilizado. Ou seja, a cada cinco voluntários analisados, o novo método acertou o ano de morte em quatro (isso em um período de até cinco anos).

Para alcançar tamanha precisão, o programa chafurdou, a partir de imagens de ressonância magnética, 30 mil pontos do coração enquanto ele se contraía. Dawes explica: “O computador executa a análise em segundos e simultaneamente interpreta os dados das imagens com exames de sangue e outras investigações. Tudo sem nenhuma intervenção humana. Isso pode ajudar os médicos a darem o tratamento certo, para os pacientes certos, na hora certa”.


AUTOR: CLÁUDIO FLORENZANO: É graduado em Gestão da TI e Pós-graduando em Segurança da Informação. Fundador e CEO da Comunidade Brasileira de Sistemas de Informação. Clique no botão "acompanhar" e siga-me no Facebook:
| Twitter: @claudioluciano | E-mail: c.luciano20@gmail.com

Compartilhe:

Comente com o Facebook: